Recolhaaves1 Recolhaaves2

Projeto de Recolha de Aves na Região

Todos os anos somos contactados pela população em geral, a fazer a recolha de animais selvagens, essencialmente aves marinhas.
Cada ano que passa tem sido notório o interesse da população em alertar para situações em que os animais são encontrados nos mais diversos sítios.


AVES MARINHAS FERIDAS OU DEBILITADAS
DESCRIÇÃO ESPECÍFICA DE CADA ESPÉCIE DE AVE MARINHA PELÁGICA E COSTEIRA
AVES TERRESTRES FERIDAS OU DEBILITADAS
DESCRIÇÃO ESPECÍFICA DE CADA ESPÉCIE DE AVE TERRESTRE
OBJETIVOS
PRINCIPAIS AÇÕES EM CURSO
ESTATUTO LEGAL
PARCEIROS
LINKS ÚTEIS
GOSTARIA DE COLABORAR?

 

AVES MARINHAS FERIDAS OU DEBILITADAS

O grupo de animais mais afetado é o das aves, em especial aves marinhas pelágicas. Este grupo de aves possui hábitos noturnos durante a época de nidificação, ou seja regressam aos ninhos (em terra) à noite.
Entre setembro e outubro, é mais frequente encontrar estas aves, normalmente os juvenis que saem do ninho pela primeira vez, em direção ao mar. Atraídos pelas luzes artificiais dos automóveis, das habitações e das iluminações públicas, estas aves tendo os olhos adaptados à visão noturna tornam-se mais sensíveis, sobretudo em noites escuras, ficando encandeadas podem colidir com edifícios, vegetação alta, linhas elétricas etc. acabando por cair, ficando sujeitas à presença de predadores ou até mesmo serem atropeladas.

Caso não esteja ferida, saiba como proceder e que tipo de aves marinhas podem ser encontradas, colaborando com o Instituto das Florestas e Conservação da Natureza, salvaguardando sempre o bem-estar do animal.

INÍCIO

 


O QUE DEVE FAZER QUANDO ENCONTRAR UMA AVE MARINHA

  • Aproxime-se lentamente;
  • Se se sentir seguro(a), use uma toalha ou pano para cobrir a cabeça do animal (evite estímulos visuais, acalmando-o) e coloque-o numa caixa de cartão adequada ao seu tamanho, com pequenos furos para que possa respirar;
  • Não dê água, alimentos ou medicamentos;
  • À noite dirija-se a uma praia, pouco iluminada e solte-a, colocando-a no chão, próximo do mar;
  • Nunca force a ave a voar;
  • Informe o Instituto das Florestas e Conservação da Natureza, indicando o local onde encontrou;

INÍCIO


DESCRIÇÃO ESPECÍFICA DE CADA ESPÉCIE DE AVE MARINHA PELÁGICA E COSTEIRA

NOME COMUM NOME CIENTÍFICO DESCRIÇÃO  
Alma-negra Bulweria bulwerii Dimensão pequena. Apresenta o corpo de cor escura, asas longas e estreitas com cauda longa. almanegra
Autor: Filipe Viveiros
Cagarra Calonectris diomedea Ave marinha pelágica de maior porte do arquipélago, sendo maior que uma gaivota. Tem bico amarelo. Parte superior cinzento-acastanhado e parte inferior esbranquiçada. cagarra1cagarra2Autores: Filipe Viveiros/ Nádia Coelho
Roque-de-Castro Hydrobates castro Dimensão pequena. Apresenta coloração escura, destacando-se uma barra branca na base da cauda. roquedecastroAutor: Filipe Viveiros
Patagarro Puffinus puffinus puffinus Dimensão média a grande. Possui coloração preta na parte superior e branca na inferior. Bico preto alongado. patagarroAutor: Filipe Viveiros
Pintaínho Puffinus lherminieri baroli Dimensão média a pequena. Semelhante ao Patagarro, sendo distinguido através da existência de plumagem branca em redor dos olhos.

pintainhoAutor: Ana Isabel Fagundes

Freira-da-madeira Pterodroma madeira Dimensão média. Parte superior cinzento e parte inferior branco. Bico negro e grosso. freiradamadeiraAutor: Filipe Viveiros
Gaivota-de-patas-amarelas Larus michaellis atlantis Os adultos são fáceis de identificar, apresentam a plumagem da parte superior cinzento-prateado, bico e patas amarelo vivo. Os juvenis são castanhos com bico preto. gaivotapatasamarelasAutor: Nádia Coelho

 INÍCIO 


AVES TERRESTRES FERIDAS OU DEBILITADAS

Embora o grupo de animais mais afetado seja o das aves marinhas pelágicas, também são recolhidas aves terrestres feridas ou debilitadas, como é o caso dos francelhos, mantas, corujas, pombos, melros, toutinegras etc. bem como outros casos como sejam, aves invernantes, migradoras e aquáticas.

INÍCIO

 
O QUE DEVE FAZER QUANDO ENCONTRAR UMA AVE FERIDA OU DEBILITADA

  • Evitar ao máximo perturbá-lo, minimizando o barulho, e contacto com as pessoas;

  • Se se sentir seguro(a), use uma toalha ou pano para cobrir a cabeça do animal (evitando estímulos visuais, acalmando-o) coloque-o numa caixa de cartão adequada ao seu tamanho, com pequenos furos para que possa respirar. Ter muita atenção ao bico e às garras para não ser magoado;

  • Entrar de imediato em contacto com o Instituto das Florestas e Conservação da Natureza  através do número 291 740 060, ou então para o Núcleo dos Dragoeiros das Neves através do contacto 291 795 155.

  • Não manter o animal em sua posse mais tempo do que o estritamente necessário e apenas prestar os primeiros-socorros se tiver conhecimento para tal.

INÍCIO 

 

DESCRIÇÃO ESPECÍFICA DE CADA ESPÉCIE DE AVE TERRESTRE

NOME COMUM NOME CIENTÍFICO DESCRIÇÃO  
Francelho Falco tinnunculus canariensis Dimensão média. Cabeça acinzentada nas fêmeas, nos machos é acastanhada. Dorso e coberturas da face superior das asas castanhas avermelhadas muito listradas. Parte superior da cauda cinzento azulada sem listras na fêmea e com listras no macho. francelho1francelho2Autor: Filipe Viveiros
 Manta ou Águia-de-asa-redonda Buteo buteo harterti Dimensão Grande. Os adultos apresentam a parte superior do corpo de cor castanha avermelhada. O peito é castanho-escuro uniforme ou listrado e manchado de amarelo esbranquiçado. A cabeça é pequena com o bico preto e enganchado. A cauda relativamente curta e de coloração cinzenta clara. mantaAutor: Rui Costa
 Coruja-das-torres  Tyto alba schmitzi Dimensão média. Face pálida característica em forma de coração. Parte inferior variando entre o branco e o laranja-amareladas e parte superior cinzentas e ocres. corujadastorresAutor: Rui Costa
 Pombo-da-rocha  Columba livia A forma pura apresenta o dorso e a face superior das asas de cor cinzento pálido, base da cauda branco, olhos avermelhados e bico escuro.
A forma doméstica tem numerosas variações na plumagem, brancas e cinzentas, completamente cinzento-escuro, rosado-arruivadas ou malhadas de preto e branco etc.
pombodarochaAutor: Nádia Coelho
Melro-preto Turdus merula cabrerae Os machos apresentam o corpo totalmente negro e o bico amarelo vivo, enquanto que as fêmeas têm uma coloração mais parda e o bico acastanhado. melropretoAutor: Rui Costa
Toutinegra Sylvia atricapilla heinecken Facilmente identificada pelo "barrete" preto nos machos e acastanhado nas fêmeas. toutinegramachotoutinegrafemeaAutores: Rui Costa e Nádia Coelho

INÍCIO 


OBJETIVOS

Este é um projeto de continuidade, e tem como propósito a recolha de animais selvagens feridos ou debilitados em toda a Região Autónoma da Madeira, com o objetivo de tratá-los sempre que for necessário e devolvê-los à Natureza, sempre que possível nos locais onde foram encontrados.

INÍCIO


PRINCIPAIS AÇÕES EM CURSO

Atualmente o Instituto das Florestas e Conservação da Natureza, prevê ações de continuidade deste projeto, no sentido de recolher, tratar e libertar as espécies selvagens existentes em toda a Região Autónoma da Madeira.

INÍCIO


ESTATUTO LEGAL

Normalmente os animais selvagens recolhidos encontram-se de alguma forma protegidos legalmente. No caso das aves, maioritariamente encontram-se listadas no Anexo I da Diretiva Aves e no Anexo II e III da Convenção de Berna, as suas áreas de nidificação encontram-se integradas na Rede Natura 2000 e no Parque Natural da Madeira. 

INÍCIO


PARCEIROS

SPEA – Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves

INÍCIO


LINKS ÚTEIS

http://www.atlasdasaves.netmadeira.com/

http://www.spea.pt/pt/estudo-e-conservacao/projetos/aves-e-iluminacao-publica/

INÍCIO


GOSTARIA DE COLABORAR?

Se encontrar um animal selvagem ferido ou debilitado, entre logo que possível em contacto com o Instituto das Florestas e Conservação da Natureza, para que rapidamente se possam tomar as devidas providências com vista à recolha e recuperação destes animais, bem como a devolução dos mesmos à Natureza. Todas as informações são preciosas (local onde foi encontrado, hora etc.) para que se possam tomar as melhores medidas e assim ajudarmos a salvar espécies importantes na nossa Região.

E-mail:

INÍCIO