RESENHA HISTÓRICA

NATUREZA

ATRIBUIÇÕES

COMPETÊNCIAS

CATEGORIAS

INGRESSO

NOTAS 


RESENHA HISTÓRICA

Em 1982, com a criação do Parque Natural da Madeira, surge oficialmente a carreira de Vigilantes da Natureza da Região Autónoma da Madeira. Mais tarde, em 1993, foi publicado o Estatuto do Corpo de Vigilantes da Natureza, através do Decreto Regulamentar Regional n.º 13/93/M, de 25 de maio.

Desde a sua origem, o Corpo de Vigilantes tem desenvolvido uma importante missão na proteção da natureza e da biodiversidade da Região Autónoma da Madeira. A sua atividade desenvolve-se em todas as áreas protegidas do Arquipélago, com especial relevância para o trabalho desenvolvido nas Ilhas Selvagens, onde, para além do cumprimento das suas atribuições, os Vigilantes da Natureza têm sido o garante da soberania de Portugal naquela área do Atlântico.

Dentro das suas funções de fiscalização e vigilância, os Vigilantes da Natureza atuam na área protegida do Parque Natural da Madeira, área na qual, para além de todo o maciço montanhoso, se destaca a floresta Laurissilva, único Património Mundial Natural da UNESCO em Portugal.

Desde sempre, estes profissionais têm sido decisivos na prossecução das políticas de proteção e conservação da natureza desenvolvidas na Região Autónoma da Madeira. “Notável”, é como podemos considerar, por exemplo, o trabalho desenvolvido no âmbito da  conservação da “freira-da-madeira”, ave marinha endémica da Ilha da Madeira, uma das aves marinhas mais raras do Mundo, e que chegou a ser considerada extinta nos finais da década de 1960.

O contributo do Corpo de Vigilantes da Natureza é também fulcral para o sucesso dos projetos de preservação de outras espécies, como é o caso do lobo-marinho e do seu habitat. Os trabalhos de conservação desta espécie iniciaram-se em 1988 e levaram à criação da Área Protegida das Ilhas Desertas, em 1990, que, entretanto, passou a ostentar o estatuto de Reserva Natural, já em 1995. Saliente-se que o lobo-marinho é a foca mais rara do mundo e uma espécie considerada em perigo crítico pela União Internacional para a Conservação da Natureza.

A atribuição do Diploma Europeu do Conselho da Europa para as Áreas Protegidas às reservas naturais das Ilhas Selvagens, em 1992, e das Ilhas Desertas, em 2014, é também um marco assinalável da participação que o Corpo de Vigilantes da Natureza tem tido na preservação do rico património natural do Arquipélago da Madeira.

Para além das fundamentais missões de fiscalização, vigilância e de apoio direto a trabalhos de conservação, o Corpo de Vigilantes da Natureza tem ainda um vasto e importante papel em outras áreas de intervenção, como sejam, entre outras: na sensibilização da população madeirense para a prossecução das boas práticas ambientais e para a salvaguarda da nossa biodiversidade; na recolha e encaminhamento de animais selvagens, essencialmente aves marinhas; e no apoio, em articulação com outras entidades regionais, às comunidades locais, nomeadamente em situações de emergência.

Em Setembro de 2016, o trabalho do Corpo de Vigilantes da Natureza da Região Autónoma da Madeira foi reconhecido com a Medalha de Prata de Mérito Turístico da Região Autónoma da Madeira.

INÍCIO 


NATUREZA

- O Corpo de Vigilantes da Natureza é um serviço auxiliar de polícia tutelado pela Secretaria Regional do Ambiente e Recursos Naturais.

INÍCIO 


ATRIBUIÇÕES

- Zelar pelo cumprimento das leis e regulamentos relativos à proteção e conservação da natureza e do ambiente no quadro das atribuições desenvolvidas pelo IFCN, IP-RAM;
- Exercer funções de fiscalização e vigilância nas áreas protegidas de Parque Natural da Madeira;
- Sensibilizar as populações de compatibilizar o desenvolvimento e o bem-estar dos residentes com a preservação das caraterísticas tradicionais da área protegida;
- Participar em ações de informação e educação ambiental junto das populações.

INÍCIO 

 

COMPETÊNCIAS

- Zelar pelo cumprimento das leis e regulamentos relativos à proteção e conservação da natureza e do ambiente no quadro das atribuições desenvolvidas pelo IFCN, IP-RAM, participando qualquer infração e levantando auto de notícia;
- Zelar pela segurança dos visitantes, acompanhá-los, orientando-os e prestando-lhes os esclarecimentos necessários à boa compreensão e interpretação dos recursos e finalidades da área protegida do Parque Natural da Madeira, nomeadamente das reservas e áreas classificadas;
- Vigiar e providenciar pelo estado de conservação dos percursos, infraestruturas e equipamentos, procurando a boa conservação e limpeza dos mesmos, executando trabalhos de proteção ou recuperação dos recursos existentes na área de Parque Natural da Madeira e acompanhando obras em curso;
- Colher e registar os elementos que lhe sejam solicitados para estudos, designadamente os respeitantes à flora, fauna, paisagem, usos e costumes ou práticas culturais no interior das áreas protegidas;
- Participar em ações informação e sensibilização, colaborando com as povoações situadas nas áreas do Parque Natural da Madeira, com vista à melhoria da qualidade de vida das mesmas na sua relação com a natureza e o ambiente;
- Contribuir para a deteção e combate aos incêndios;
- Colaborar com outros organismos que exerçam funções de fiscalização nas áreas do Parque Natural da Madeira, requerendo o auxílio de outras entidades, nomeadamente policiais, sempre que necessário.

INÍCIO 

 

CATEGORIAS

A carreira de Vigilante da Natureza compreende as seguintes categorias:
- Vigilante da Natureza Especialista Principal;
- Vigilante da Natureza Especialista;
- Vigilante da Natureza de 1ª. Classe;
- Vigilante da Natureza de 2ª. Classe.

INÍCIO 

 

INGRESSO

Para se candidatar ao ingresso na carreira de Vigilante da Natureza, para além das normas que decorrem da lei geral para os concursos de ingresso, é necessário aos candidatos: possuírem 9º. ano de escolaridade ou equiparado, idade igual ou inferior aos 28 anos.
Os elementos que ficam aprovados no concurso de acesso têm obrigatoriamente de frequentar um estágio com a duração de 1 ano que inclui uma formação específica.

Dia do Corpo de Vigilantes da Natureza – 2 de fevereiro

INÍCIO 

 

NOTAS

- O Corpo de Vigilantes da Natureza (CVN) é composto por 37 elementos;
- O CVN assegura um serviço permanente na Ilha do Porto Santo, Selvagens e Desertas.

INÍCIO