lobo211

A Foca-monge-do-Mediterrâneo ou Lobo-marinho, Monachus monachus, como é conhecida no arquipélago da Madeira, é a foca mais rara do mundo e uma espécie considerada em perigo pela União Internacional para a Conservação da Natureza. Em Portugal, ocorre unicamente no arquipélago da Madeira, mais especificamente nas Ilhas Desertas e ilha da Madeira.

Procurando salvaguardar o lobo-marinho no arquipélago da Madeira e contribuir para a sua manutenção no mundo, em 1988, o Governo Regional da Madeira, através do extinto Serviço do Parque Natural da Madeira, iniciou o seu programa para a conservação do lobo-marinho na região o que incluiu a proteção legal das Ilhas Desertas, em 1990.

A proteção do lobo-marinho e do seu habitat, a monitorização e o estudo do Lobo-marinho, juntamente com a educação ambiental, são desde então as principais estratégias utilizadas para a salvaguarda desta espécie na região.

Em 2014 com o objetivo de melhorar o trabalho de conservação do lobo-marinho desenvolveu-se o projeto LIFE Madeira Lobo-Marinho (LIFE13 NAT/ES/000974 Madeira lobo-marinho) que terminou em 2019 e deu origem a uma Estratégia para a Conservação do Lobo-marinho no Arquipélago da Madeira.

Atualmente as ações do projeto LIFE continuam a ser implementadas ao abrigo do projeto “Vigilância do estado de conservação do lobo-marinho no arquipélago da Madeira” financiado pela Monk seal Alliance .

 

OBJETIVOS

DESCRIÇÃO DA ESPÉCIE

AMEAÇAS

ESTATUTO LEGAL

PRINCIPAIS AÇÕES EM CURSO

O QUE FAZER QUANDO OBSERVA UM LOBO-MARINHO?

ESTRATÉGIA DE CONSERVAÇÃO DO LOBO-MARINHO NA MADEIRA

PUBLICAÇÕES DE INTERESSE

GOSTARIA DE COLABORAR?

LINKS ÚTEIS

CONTACTOS

 

 

 

OBJETIVOS

O principal objetivo deste projeto foi salvaguardar o lobo-marinho no arquipélago da Madeira e contribuir para a sua manutenção no mundo.

INÍCIO

 

DESCRIÇÃO DA ESPÉCIE

Situação Atual e distribuição

No mundo inteiro não devem existir mais de 750 lobos-marinhos distribuído pelo Mar Mediterrâneo e Oceano Atlântico onde se encontra a maior população do mundo, em Cabo Branco (Mauritânia) com cerca de 380 animais e a do arquipélago da Madeira.

No Arquipélago da Madeira existem atualmente 22 indivíduos (estimados em 2021), verificando-se uma tendência para aumentar muito reduzida.

Habitat

O lobo-marinho depende de terra para repouso e reprodução.

Estes animais viram-se obrigados a abrigarem-se em praias no interior de grutas devido à perseguição que sofreram por parte do Homem. Contudo, devido aos esforços de conservação, estes animais voltaram a ser observados em praias abertas.

No mar, são animais com um comportamento essencialmente costeiro.

Dieta

O lobo-marinho alimenta-se principalmente de peixe variado, cefalópodes e crustáceos. Em predação é capaz de fazer mergulhos com apneias que podem durar 15 minutos e ultrapassar os 400 m de profundidade.

O tipo de presas descritas para este indivíduo, sugere que se trata de um predador oportunista que captura alimento em fundos rochosos e baixios próximos da costa.

Reprodução

O lobo-marinho tem, de um modo geral hábitos solitários, tornando-se mais gregário durante a época de criação.

A idade de reprodução das fêmeas nesta população é de 6/7 anos, uma idade bastante superior à idade de 3 anos que ocorre na Mauritânia. O acasalamento ocorre no meio aquático. O período de gestação é de cerca de 9 meses.

O nascimento ocorre em terra e refere-se a, apenas, uma cria que é amamentada até aos 4 meses.

Longevidade

Não se sabe ao certo até que idade podem viver, mas na Madeira os dados parecem indicar que a idade média ronda os 22 anos.

Morfologia

As crias desta espécie nascem com cerca de 1 m e 15 a 20 kg. Possuem um aspeto lanoso, de cor negra e com uma mancha branca ventral. Com a idade e as sucessivas mudas de pelo a coloração vai-se alterando e pode variar do preto ao fulvo.

Em jovens começam a apresentar algumas cicatrizes no dorso de cor cinzento-escuro. As fêmeas adultas possuem toda a região ventral esbranquiçada e inúmeras cicatrizes no dorso, enquanto os machos adultos possuem uma mancha branca na zona umbilical.

Esta é a maior foca existente depois do elefante-marinho. Os machos, ligeiramente maiores que as fêmeas, podem atingir 300 kg e 2,80 m.

INÍCIO

 

 

AMEAÇAS

Na Estratégia de Conservação do Lobo-marinho no Arquipélago da Madeira definiram-se as pressões (fatores que atuam de forma negativa atualmente) e ameaças (fatores que se prevê virem a atuar de forma negativa) nesta população.

Atualmente, as pressões estabelecidas para esta população são:

  1. Interações com a atividade de pesca: Apesar de existir uma maior sensibilidade e respeito da legislação por parte dos pescadores. Associado a esta interação registou-se:
    • Mortalidade por interação com covos,
    • Mortalidade por persecução direta,
    • Uso ilegal de redes de emalhar e explosivos;
  2.  Perturbação pelas atividades turísticas e de lazer;
  3. Mortalidade de crias elevada;
  4. Falta de conhecimento sobre a disponibilidade de recursos alimentares.

Atualmente, as ameaças estabelecidas para esta população são:

  1. Risco de interrupção da reprodução por escassez de machos na população;
  2. Perturbação do habitat de descanso e reprodução;
  3. Aquacultura;
  4. Baixa variabilidade genética. 

INÍCIO

 

 

ESTATUTO LEGAL

O lobo-marinho e o seu habitat estão legalmente protegidos por legislação regional, europeia e internacional.

Proteção Regional e Comunitária:

Convenções Internacionais 

 

INÍCIO


PRINCIPAIS AÇÕES EM CURSO

Proteção in loco

A proteção do lobo-marinho e do seu habitat é feita pelos Vigilantes da Natureza que realizam trabalho na Reserva Natural das Ilhas Desertas e na ilha da Madeira. A presença destes elementos permite minimizar possíveis transgressões dos regulamentos e diplomas no âmbito da conservação da natureza onde se inclui o lobo-marinho e o seu habitat.

Em 1997 foi construída uma Unidade de Reabilitação para Lobos-marinhos nas Ilhas Desertas, por onde já passaram 3 pacientes.

Monitorização e estudo

A monitorização da população de lobos-marinhos tem como objetivo acompanhar o estado da população e adquirir conhecimentos sobre a sua biologia e ecologia, com a filosofia de estudar e monitorizar sem perturbar e interagir com os animais.

Nas Ilhas Desertas, a monitorização baseia-se na observação direta dos lobos-marinhos sem interferência nas suas atividades e na recolha de imagens através de câmaras fotográficas automáticas colocadas no interior das grutas e praias mais utilizadas pelos animais. A observação tem como objetivo a foto-identificação e o registo do comportamento dos animais. Este trabalho permite ainda registar eventuais nascimentos, mortes ou tomar medidas para recuperar algum animal detetado doente ou em situação de risco.

O IFCN tem, também, promovido a Rede SOS Lobo-Marinho, visando reunir o máximo possível de informação relativa aos lobos-marinhos na ilha da Madeira, com o apoio da comunidade madeirense.

LogoRedeSOS

 


Layman´s Report - LIFE Madeira lobo-marinho

O projeto LIFE Madeira lobo-marinho decorreu entre 2014 a 2019 consulte os resultados práticos no Layman´s Report que está disponível numa linguagem simples e com uma apresentação atraente.

LaymanLoboPort01 LaymanLoboIng01
Layman´s Report - Portugês Layman´s Report - Inglês

VIDEO LIFE MADEIRA LOBO-MARINHO Pt

Vídeo produzido no âmbito do projeto LIFE Madeira Lobo-marinho, pelo fotógrafo subaquático Nuno Sá.
Este pequeno vídeo que tem como objetivo dar a conhecer a importância desta espécie emblemática da Madeira e promover para que todos colaborem na sua conservação.

PROJETO LIFE MADEIRA LOBO-MARINHO NO PORTUGAL EM DIRETO


INÍCIO


ESTRATÉGIA DE CONSERVAÇÃO DO LOBO-MARINHO NA MADEIRA

ImgDestEstratLoboM

No âmbito do projeto Life Madeira Lobo-marinho foi definida uma Estratégia de Conservação do lobo-marinho na Madeira

logopdf Estratégia de Conservação do lobo-marinho na Madeira
   
logopdf Resolução n.º 916/2020 de 17 de novembro - Aprova a Estratégia para a Conservação do Lobo-marinho no Arquipélago da Madeira para o período 2020-2032

 

INÍCIO



O QUE FAZER QUANDO OBSERVA UM LOBO-MARINHO?

Se vir um lobo-marinho…

  1. No caso de observar um lobo-marinho, não se esqueça de que é um animal selvagem. Não é um animal agressivo por natureza, mas poderá sê-lo ao sentir-se ameaçado. É curioso e poderá procurar interagir com o que o rodeia.
  2. No mar, deve manter a distância e evitar perturbar os animais, ou se possível sair calmamente para terra. No caso de estar a fazer caça submarina, liberte-se do peixe e procure outro local para a caça.
  3. Não alimente o lobo-marinho.
  4. O contacto com cães, potenciais transmissores de doenças, deve ser evitado ao máximo.
  5. Informe o IFCN sobre o seu registo. Poderá fazê-lo por telefone ou por email ( Telemóvel: 961 957 545 , Email   
    ou ).
    Informe a data, hora, duração da observação e as características e comportamento do animal observado. Envie também imagens, se tiver.
  6. Caso se trate de um animal morto, doente ou com um comportamento aparentemente estranho, deve:


    • Alertar de imediato o IFCN;

    • Evitar a aproximação ou tocar no animal (para evitar a transmissão de doenças);

    • Procurar estabelecer, se possível, um perímetro de segurança para evitar a aproximação de outras pessoas;

    • Evitar o contacto com animais domésticos.

 

INÍCIO


PUBLICAÇÕES DE INTERESSE

  • Karamanlidis, A.; Pires, R.; Silva, N. & H. C. Neves. 2004 The availability of resting and pupping habitat for the critically endangered Mediterranean monk seal (Monachus monachus) in the Archipelago of Madeira. Oryx 38(2): 1-6. http://www.mom.gr/LH2Uploads/ItemsContent/473/press.pdf
  • Karamanlidis, A.; Pires, R.; Neves, H. C. & C. Santos. 2003 Habitat of the endangered Mediterranean monk seal (Monachus monachus) at São Lourenço – Madeira. Aquatic Mammals 29 (3): 400-403. http://www.mom.gr/LH2Uploads/ItemsContent/474/press.pdf
  • Pires, R., Costa Neves, H. & A. Karamanlidis, 2007. Activity Patterns of the Mediterranean Monk Seal (Monachus monachus) in the Archipelago of Madeira. Aquatic Mammals 2007, 33(3): 327-336. http://aquaticmammalsjournal.org/attachments/article/275/33_3_Pires.pdf
  • Pires, R., Costa Neves, H. & A. Karamanlidis, 2008. The Critically Endangered Mediterranean monk seal Monachus monachus in the archipelago of Madeira: priorities for conservation. Oryx, 42(2): 278–285. http://www.mom.gr/LH2Uploads/ItemsContent/464/press.pdf
  • R. Hale, R. Pires, P. Santos, & A. A. Karamanlidis, 2011. Mediterranean Monk Seal (Monachus monachus): Fishery Interactions in the Archipelago of Madeira. Aquatic Mammals, Volume 37, Number 3: 298-305
  • R. Hale, 2009. Interacção da foca-monge (Monachus monachus) com as diversas artes de pesca da Região Autónoma da Madeira. Dissertação submetida à Faculdade de Ciências da Universidade do Porto para obtenção do grau de Mestre em Biologia.
  • Karamanlidis, A.A.; Androukak,i E.; Adamantopoulou, S.; Chatzispyrou, A.; Johnson, W.; Kotomatas, S.; Papadopoulos, A.; Paravas, V.; Paximadis, G.; Pires, R., Tounta, E. & P. Dendrinos, 2008 Assessing accidental entanglement as a threat to the Mediterranean monk seal Monachus monachus. Endang Species Res 5:205-213
    http://www.int-res.com/articles/esr2008/5/n005p205.pdf

INÍCIO


GOSTARIA DE COLABORAR?

Se observou um lobo-marinho ou se tiver o conhecimento de alguma observação preencha a ficha de registo e reencaminhe para  juntamente com quaisquer imagens que possam ter sido recolhidas.

Todas as informações são preciosas para que se saiba um pouco mais acerca desta espécie na Região!

INÍCIO


LINKS ÚTEIS

IUCN Red List of Threatened Species

Life Madeira Monk Seal

Fundação Prince Albert II do Monaco

RTP Ensina

VISÃO Ambiente

IFCN Publicações, Livro " O Lobo-marinho no Arquipélago da Madeira"

Projeto Life Madeira Lobo-marinho

CBD-Habitat (Fundación para la Conservación de la Biodiversidad y su Hábitat) of Spain

MOm (The Hellenic Society for the Study and Protection of the Monk Seal) of Greece 

SAD - AFAGUnderwater Research Society - Mediterranean Seal Research Group

The Monachus Guardian

 

INÍCIO


CONTACTOS

Coordenação do projeto

INÍCIO