Perguntas Frequentes - Áreas Protegidas

FAQs - Áreas Protegidas

O acesso à Reserva Natural das Ilhas Desertas é efetuado por mar, através de embarcações privadas e marítimo-turísticas, sendo necessária autorização do Instituto das Florestas e Conservação da Natureza, IP-RAM. Para tal contacte a coordenação da Reserva e informe o seguinte:

a) Cópia do registo de propriedade da embarcação;
b) Número de tripulantes;
c) Período da visita;
d) Nome do responsável pela embarcação;
e) Âmbito da visita, nomeadamente particular ou comercial.

O IFCN não se responsabiliza pelo transporte para desembarque dos tripulantes e passageiros em terra.
Existem visitas realizadas pela embarcação  “Buteo”, no âmbito da Educação Ambiental, no qual poderá participar qualquer grupo de caráter pedagógico. Para tal, contacte o Centro de Informação, Núcleo dos Dragoeiros das Neves  do IFCN . Consulte o programa de atividades de Educação Ambiental.

As embarcações estão autorizadas a praticar o fundeadouro decretado pela Capitania do Porto do Funchal. Por constituir uma enseada abrigada, a baía da Doca, na Deserta Grande, foi declarada área oficial de fundeadouro, estando descrita nas cartas de navegação como tal. No entanto, a baía da Doca é Reserva Integral sendo permitido excecionalmente o acesso a pessoas e embarcações como fundeadouro autorizado, sendo o acesso efetuado na direção perpendicular à linha de costa pelo azimute da Furna.
Não obstante, a embarcação deverá ter em consideração as indicações constantes na versão atualizada do Roteiro da Costa de Portugal – Arquipélago da Madeira, que contém informação complementar às cartas náuticas, com a finalidade de fornecer aos navegantes informação detalhada e atualizada para o planeamento de uma viagem e para a condução da navegação.
Para mais detalhes relativos a esta temática, contacte a Marinha Portuguesa.

Convidamo-lo a desembarcar na baía da Doca (Deserta Grande) e a conhecer a biodiversidade da Reserva cuja espécie emblemática é o lobo-marinho, bem como as ações de conservação desenvolvidas nesta área protegida! Tudo isto através de um percurso interpretativo acompanhado por um vigilante da natureza e da visita ao centro de receção, onde existe uma sala de exposição e uma loja de merchandising. Aqui poderão adquirir material divulgativo alusivo à Reserva e assim contribuir com as ações de conservação da biodiversidade.
Também na baía da Doca, existe uma área de lazer com sombreamento, mesas e bancos, onde poderá fazer o seu piquenique. Junto a esta área de lazer existe um churrasco e uma área de pernoita. A utilização do churrasco e da área de pernoita tem um custo associado por atividade no valor de 5€ por cada grupo até 5 pessoas e é autorizada mediante os visitantes serem responsáveis por:

a) Organizar e transportar todos os materiais e equipamentos necessários à realização da respetiva atividade;

b) Limpar o espaço após término da atividade e por transportar todo o lixo e detritos produzidos na Reserva;

c) No caso do churrasco, caso necessitem do apoio do IFCN e haja disponibilidade de lenha, esta estará disponível no valor de 3€ por cada cesto de lenha;

A subida ao topo da Deserta Grande está interdita, salvo em situações pontuais. Para tal, contacte a coordenação da Reserva.

Porque dar a conhecer o património natural da Região e das ações de conservação desenvolvidas, constitui um aspeto determinante para que sejam tomadas medidas adequadas, com vista à salvaguarda do meio ambiente e à melhoria da qualidade de vida da população, estas Ilhas são visitadas anualmente por centenas de pessoas, que ali se deslocam através de embarcações privadas, embarcações marítimo-turísticas e, também, dos navios de Guerra da Marinha Portuguesa, sempre mediante autorização prévia da entidade gestora da área.

A atividade principal de turismo de natureza e científico aqui desenvolvida é a visita guiada por um percurso interpretativo, seguindo-se o mergulho, a observação e escuta de vida selvagem, entre tantas outras. Para a respetiva autorização, informe o seguinte:

  1. Nome da embarcação
  2. Número do registo da embarcação
  3. Nacionalidade do registo da embarcação
  4. Tipo de embarcação
  5. Número de tripulantes
  6. Período da visita
  7. Nome do responsável pela embarcação
  8. Âmbito da visita, nomeadamente particular ou comercial

Outras atividades, não consideradas de turismo de natureza e científico, como sejam a investigação, a recolha de imagens para fins comerciais e publicitários, entre outras, para a respetiva autorização, preencha o formulário.

A entidade gestora não se responsabiliza pelo transporte para desembarque dos tripulantes e passageiros em terra.

As embarcações estão autorizadas a praticar única e exclusivamente os fundeadouros referidos no edital nº9/2006 da Capitania do Porto do Funchal , estando o da Selvagem Pequena desativado.

Por constituir uma enseada abrigada, a baía das Cagarras, na Selvagem Grande, foi declarada área oficial de fundeadouro, estando descrita nas cartas de navegação como tal. Como fundeadouro alternativo, existe o fundeadouro da baía das Galinhas, para condições meteorológicas que não permitam praticar o fundeadouro principal. Não obstante, a embarcação deverá ter em consideração as indicações constantes na versão atualizada do Roteiro da Costa de Portugal – Arquipélago da Madeira, que contém informação complementar às cartas náuticas, com a finalidade de fornecer aos navegantes informação detalhada e atualizada para o planeamento de uma viagem e respetiva navegação. Para mais detalhes relativos a esta temática, contacte o Comando de Zona Marítima da Madeira.

Convidamo-lo a desembarcar na baía das Cagarras (Selvagem Grande) e a conhecer a bio(geo)diversidade da Reserva cuja espécie emblemática é a cagarra, bem como as ações de conservação desenvolvidas nesta área protegida! Tudo isto através de um percurso interpretativo acompanhado por um vigilante da natureza.

Também na baía das Cagarras, existe uma área de lazer, mesas e bancos, onde poderá fazer o seu piquenique.

Para conhecer um pouco mais sobre esta Reserva, convidamos à leitura dum livro sobre a mesma em https://issuu.com/parquenaturalmadeira/docs/ilhas_selvagens.  

Ao naufrágio de uma escuna de nacionalidade holandesa que aí ocorreu no século XIX. O Ilhéu da Viúva apresenta um formato que em muito assemelha-se à frente de um navio.

O teleférico, assim como, os valores de utilização do mesmo são da responsabilidade da Câmara Municipal de Santana.
A viagem de teleférico é paga no local e funciona diariamente entre as 10h e as 18h.

Se quiser efetuar uma visita pedagógica através do IFCN é favor entrar em contacto com os nossos serviços

Junto ao teleférico da Rocha do Navio, no Sítio do Parlatório, sobre o lado direito, inicia-se a vereda que dá acesso à Fajã. O percurso pode terminar com a visita ao Centro da Biosfera da Rocha do Navio e ao Centro de Receção da Reserva Natural do Sítio da Rocha do Navio.

Percurso pedestre

INÍCIO: Sítio do Parlatório;

FIM: Sítio da Rocha do Navio;

DURAÇÃO: 50min;

EXTENSÃO: 1,5km

As Reservas da Biosfera são espaços reconhecidos internacionalmente pela UNESCO, através do programa o Homem e a Biosfera - MAB (do inglês Man and the Biosphere) que pretende conciliar a conservação da diversidade natural e cultural com o desenvolvimento social e económico local. A atribuição do galardão de Reserva Mundial da Biosfera constitui o reconhecimento internacional não só das riquezas patrimoniais locais, como também, das atividades e setores, que de forma constante promovem o desenvolvimento sustentável local. Na Ilha da Madeira há uma: Santana Madeira Biosfera.